terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

SERIE MENINAS

Menina anjo;
acrílica s/ tela- Monica Cella
Menina com cachecol;
Acrílica s/tela-Monica Cella
Menina olhando a lua;
Acrílica s/tela-MonicaCella
menina no balanço-1998;
acrílica s/tela -Monica Cella
Tomo a liberdade de reproduzir um artigo de Ivan Marinho (professor e artista plástico). Extraído do site: http://www.artewebbrasil.com.br. A INSTITUIÇÃO DO EFÊMERO E O CULTO AOS FINS Tenho me cobrado muito coerência com o que digo, para que não me veja seccionado entre o que falo e o que faço. Para mim, todo processo de trabalho humano deve buscar a integração entre o que se executa e o que se intenciona. E estas intenções, para além das vaidades pessoais, devem se fundar no bem comum a partir do exercício intimamente individual de transcendência do próprio indivíduo. Na sociedade fragmentada que se configura, onde o mercado ocupa o lugar da alma do ser humano, impõe-se uma práxis que revifique o homem enquanto espécie e a espécie enquanto parte de um todo infinito e indecifrável em sua plenitude. O pós-modernismo, alicerçado sobre o vazio entre o dado real e a infinitude de possibilidades do porvir, optou pela efemeridade de insignificações processuais, que atende ao apelo forjado pelo Mercado no sentido de individualizar e hedonizar o sentimento humano perante a perplexidade criada sob o paradigma da temporalidade existencial. O homem, que criou mitos e deidades buscando uma aproximação, uma integração com a eternidade cósmica, nutrido pelo sonho comum de felicidade geral, vê-se, vitimado pela fragmentação do trabalho e do saber, compungido a viver em função do prazer imediato, que desfaz o sentido de espécie pondo fim à experiência de continuidade histórica pela transferência e criação de novos valores sócio-culturais, bem como ao ímpeto de transcendência do real no processo de integração com as forças do universo. A cultura norte-americana, onde germinou o pós-modernismo, é fincada na teoria educacional de Scinner que, por sua vez, estende-se sobre a teoria Pavloviana do condicionamento. Estas práticas, que se tornaram dominantes, privilegiam os fins em detrimento dos meios e, enganosamente, provam sua eficácia pela minoração do percurso a ser percorrido para se alcançar um objetivo qualquer, normalmente relacionado ao consumo de bens materiai
Enquanto cresce o filho do Mercado, neto dos Aparelhos Ideológicos do Estado, o Pós-modernismo, irmão do Neo-liberalismo, reproduz-se descontroladamente o que se chamou de alienados, lumpezinato,consciências ingênuas e que, agora, pode-se chamar de objetos da Matrix.
E nessa história de objeto, sua vida pode não valer mais que um tênis. Cuidado! Ivan Marinho Professor e artista plástico ivanmarinhofilho@gmail.com

Um comentário:

  1. Mônica
    Fui ver onde estava meu texto e fiquei fascinado com teu blog.
    Mande mensagem p meu e-mail p nos comunicarmos mais. Quero mandar umas fotos dos meus trabalhos p vc conhecer.
    Abç!
    Ivan Marinho.

    ResponderExcluir