segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Hendrick Avercamp


   Winter landscape with skaters, cerca 1608.

Os invernos amorosos de Avercamp

Acontece no Rijksmuseum a exposição de Hendrick Avercamp - The Litlle Ice Age, considerado o mais importante pintor de paisagens invernais da Holanda do século 17.
Avercamp especializou-se nesse tipo de paisagem após 1600, criando um gênero independente de pintura de paisagens, muito típicas daquele período em que os invernos eram muito mais rigorosos do que agora. Narrativas completas, repletas de diferentes personagens e situações, verdadeiros acontecimentos sobre o gelo.
Descrevem o fascínio que o gelo exerce sobre a sociedade holandesa desde séculos até hoje em dia e mais do que tudo celebram a resistência desse povo ante as intempéries da natureza.

Aparentemente as paisagens de Avercamp são simplesmente bucólicas, divertidas e delicadas, alegres ao olhar.
Mas a uma observação mais detalhada vão se revelando e se mostrando cheias de segredos e surpresas. Verdadeiros acontecimentos pictóricos.
Centenas de personagens preenchem as paisagens de Avercamp, retratando os hábitos e costumes de um período longínquo na história, onde somente através de suas imagens se tem acesso aquele momento. Cada figura tem igual importância e uma história própria a contar: uma anedota, um estilo, uma atividade ou simplesmente um momento de lazer e descanso sobre o gelo.
Tudo na paisagem tem igual importância e dignidade: as pessoas, as crianças, as árvores, o gelo, as montanhas ao longe, as casas... tudo está situado dentro do mesmo universo e cada elemento realiza sua função simplesmente.
As obras exigem uma dedicação especial, certo tempo de observação e concentração para descobrir todos os elementos de que se compõe. 
O olhar vai percorrendo a superfície, seguindo os caminhos que o artista propõe, num jogo intrincado de esconde e revela quase uma brincadeira de criança. Vai-se descobrindo em cada trecho do caminho diferentes cenas, diferentes figuras: um aristocrático casal patinando alegremente, um homem fazendo “suas necessidades” lá econdidinho, outro que cai no chão e outro que carrega lenha para casa, uma mulher que lava roupa na água congelada do canal e assim por diante.
Mas esse é o lado visível da pintura...
Fazendo outra leitura, mais sensível e subjetiva, o artista nos revela seus segredos. Um olhar generoso e perspicaz - diz-se que Avercamp era mudo, e assim desenvolveu um talento especial para observar - trata a todos com equidade: pobres e ricos, camponeses e aristocratas, crianças e adultos, velhos e jovens, todos fazem parte do mundo festivo do artista, e todos tem o mesmo cuidado e atenção.
Apesar do aspecto frio e gelado que evocam cenas de inverno, tudo se mantém agregado numa atmosfera acolhedora, quente, amigável. À maneira de Avercamp, ele vai distribuindo as cores de modo a criar essa sensação de presença e calor que provém de tudo e de todos, harmoniosamente.
Alguns azuis aqui (usados de forma magistralmente inusitada), muitos amarelos misturados, ocres calorosos.
E os rosados... Ah, os rosados de Avercamp! São a alma por trás de toda a pintura.Através dos rosados o artista nos provoca sentimentos delicados, amigáveis e nos sentimos próximos daqueles seres tão distantes no tempo. 
 A perspectiva de Avercamp (usada nos mínimos detalhes) vai além da sensação propriamente física de profundidade, nos arrebata num mergulho ao infinito, pra dentro de nós mesmos, juntamente com seus céus, rarefeitos, sutis, que se evadem do espaço da pintura, nos carregando pra outras dimensões.
Assim, sua paisagem vai se compondo, construindo um espaço aqui dentro, afirmando mais uma vez a beleza e o alcance que a arte pode ter.

        Hendrick Avercamp (Netherlands1585 –1634)
          The Litlle Ice Age
       Rijksmuseum, Amsterdam-Netherlands
      Jan Luijkenstraat 1, Amsterdam
Em Amsterdam:
A partir da Central Station: tram 2 ou 5 (p/ Hobbemastraat)
A partir da Zuid/WTC Station: tram 5 (p/ Hobbemastraat)
A partir da Sloterdijk Station: tram 12 (p/ Concertgebouw)
A partir da Amstel Station: Metro p/ Weesperplein, a partir daí tram 6, 7 ou 10 (para Spiegelgracht)
A partir do terminal de ônibus regionais na Marnixstraat: ônibus 26, 65, 66 ou 170 (ou a 10 minutos caminhando)
Você também pode pegar o Canal Bus!
  
· No século 17, durante determinado período, o norte da Europa Ocidental sofreu uma série de invernos, excepcionalmente rigorosos, conhecidos como "The Litlle Ice Age".    

    Enjoying the Ice - c. 1630-34 /Oil on canvas;25 x 37,5 cm


   Winter Landscape with Iceskaters(detalhe) / Oil on panel;87,5 x 132 cm, cerca de 1608.  
     .

2 comentários:

  1. Monica, confesso que não conhecia e fui no site ler mais sobre ele. Me lembrou Jan Bruegel. Fiquei admirada dos detalhes e do colorido das telas. Algo bem vivaz se comparado ao ambiente gelado, dá pra sentir que o veludo é veludo! (rs*)
    Obrigada pela apresentação! Beijus,

    ResponderExcluir
  2. Excelente post, adorei essa exposição. Compartilhei esse post no Google Buzz.

    Monica, você tem twitter?

    ResponderExcluir