domingo, 2 de julho de 2006

Qual o valor intrínseco de uma obra?O que é uma obra de arte?

                                                 S/ titulo/ monica cella/2003/a/s/t


Qual o valor intrínseco de uma obra?O que é uma obra de arte?
Há algum tempo atrás responder a essas questões seria talvez bastante provável e possível. Hoje ao invés de responder, nos colocamos mais e mais questões e perguntas a esse respeito. Mudaram os paradigmas que nos norteavam que nos guiavam e possibilitavam "algum acerto" acerca do que seria ou não arte. Não temos mais sólidas referências como no passado, ao contrário nos movemos em terreno movediço, nossos parâmetros não existem mais. Mudaram os códigos de leitura das obras, e hoje temos diferentes códigos para diferentes artistas. Isso nos leva perigosamente a um pensamento simplista: em arte atualmente vale tudo, daí a dificuldade de leitura, pois existem tantos códigos quantos artistas e proposições. Mas, eu proporia a seguinte questão: onde vale tudo, nada vale. Ou seja, nada tem valor. E esta é uma questão importante quando nos fazemos perguntas a respeito de obras de arte. Então eu traria a seguinte proposta: o valor de uma obra estaria ligado ao seu corpo poético, o equivalente ao corpo espiritual. Teríamos o corpo físico da obra, seu aspecto concreto, a matéria da qual é formada e sua configuração e dinâmica no espaço. E teríamos o corpo poético da obra, qual um sopro de vida, seu fluxo e refluxo, sua vibração no mundo, sua potência. Muitas obras nos fazem a proposta de existirem efemeramente, mas seu corpo poético permanece vibrando mesmo após desaparecerem fisicamente. Lembro de Hélio Oiticica e de seus parangolés, suas performances. Ligia Clark e seus objetos sensoriais, suas manipulações in loco no próprio “espectador” de sua obra.
Talvez a muitas obras falte esse corpo poético que dá substância e essência a elas e resta tão somente a inexpressiva máscara da aparência. Talvez...
Atualmente é difícil -- mesmo para um crítico ou curador -- posicionar-se efetivamente a respeito de muitas obras, pois como foi mencionado, nossos conceitos são frágeis e efêmeros, assim como nosso estar no mundo.
Talvez com o passar do tempo é que poderemos ver o que restou desse período, não só fisicamente no sentido das obras que permanecerem, mas até mesmo em termos de conceitos, propostas e do valor qualitativo das mesmas.

8 comentários:

  1. o conceito de arte nas outras épocas já passadas estava ligado ao belo sempre sublime, à arte cabia servir a corte como propaganda (da igreja por exemplo)e ostentação, hoje em dia a arte pode se servir como protesto a isso... além de trabalhar com seus elementos pictóricos de uma forma totalmente diversa, contrária ao que estavamos (ou AINDA estamos) acostumados a enxergar e sentir. A forma se deformou e se transformou em expressão, seu valor tornou-se ainda mais alto...
    O que se faz hj em dia na área artística , acho que sempre existiu... mas somente os que tem um valor realmente artístico no seu trabalho e que o mostra para o mundo com uma finalidade, a social (compartilhar a suas sensações ou idéias com as pessoas) é quem sobresai do meio do furacão enfurecido, mas será que é realmente assim? por isso as pessoas compram nosso trabalho? Pra compartilharem coisas uns com os outros? Infelizmente... acho que não. Não conseguem sentir essa empatia que podemos ter um com os outros... E mesmo assim sou otimista, acredito nas pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do seu blog...acho que temos coisas em comum...Visite meu blog...ele se chama Cartas a Théo...é como se Van Goh estivesse escrevendo ao seu irmão. Só no caso, o Théo é quem lê o blog...Abraços........VG

    ResponderExcluir
  3. Esqueci de dar o endereço do Blog....http://cartasatheo.blogspot.com.............Abraços de novo...VG

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Mim ajudou bastante em um seminário que vouh apresentar...

    ResponderExcluir
  6. Mim ajudou bastante em um seminário que vouh apresentar...

    ResponderExcluir
  7. Anônimo12:08 PM

    Não entendi...Quer dizer que, não há uma definição exata para intrínseco? Quando na escola dizem "avalie a fotografia e digam seus valores intrínsecos" estou fadada a não saber apreciar corretamente uma obra?, Por favor me ajude, em uma obra, o que são valores intrínsecos e extrínsecos?

    ResponderExcluir