sábado, 17 de março de 2012

Klee and Cobra A Child’s Play



                               Bust of a child, 1933




 "A criança é o pai do homem"
  William Wordsworth.




O que a arte e as crianças têm em comum?

A exposição Klee and Cobra a Child`s play que está acontecendo no Cobra Museum em Amstelveen aponta respostas nesse caminho. A exposição foi pensada na relação do Grupo Cobra com o artista Paul Klee, o que ambos tinham em comum com o universo imaginativo da criança. A curadoria escolheu cinco temas sobre os quais ambos trabalharam: a imaginação da criança, as máscaras, os acrobatas, animais fantásticos e agressividade. Dentro de cada tema proposto são exibidos trabalhos de Klee e de alguns membros do Grupo Cobra: Karel Appel, Constant, Corneille, Pierre Alechinsky, Asger Jorn e outros. No total mais de 130 obras de Klee e 120 do Grupo Cobra.

Paul Klee

Pra entender melhor a arte de Klee se faz necessário conhecer um pouco sobre sua própria vida e personalidade.
Klee nasceu na Suíça (1879-1941) numa família de músicos da qual herdou o gosto pela musica, tornando-se um exímio violonista. O pai era professor de música e a mãe cantora. Atuou na Orquestra Municipal de Berna e outros grupos. A musica, aliás, permaneceu com ele durante toda sua vida exercendo grande influência sobre sua arte. Formulou a Teoria da Forma na qual relaciona formalmente através de analogias a Musica e as Artes Visuais. Foi um importante teórico, um intelectual da arte, ligando suas buscas à filosofia e a metafísica.  Klee foi um dos mestres da famosa escola Bauhaus onde lecionou de 1920 a 1931. Instituiu as bases do que viria a ser mais tarde o Construtivismo.

Escolheu as artes visuais como seu caminho no mundo, sua maneira muito singular de se comunicar com o universo. De Klee pode-se dizer um pintor sem classificações de estilo, escolas ou ismos. Construiu sua arte de forma única, singular, sempre se mantendo fiel a si mesmo, buscando suas imagens na essência do seu ser. Assimilou algumas tendências de seu tempo  transformando-as. Razão e emoção, intuição e intelecto, dentro desse contexto de polaridades Klee retirou a energia para construir sua linguagem e suas imagens. A despeito de sua obra estar imersa nas suas teorias, visualmente se manteve pura, primitiva, aquém das investigações intelectuais. Sua arte tem a energia vital da natureza, exprimem questões cósmicas, metafísicas, dualidades: caos e ordem.



"Art does not reproduce the visible; rather, it makes visible."





Pequenos formatos, linhas tênues e delicadezas. Cores cadenciadas, musicais. Símbolos pictográficos como letras, notas musicais e setas povoam suas pinturas e desenhos. Suas obras exigem um olhar atento e introspectivo, feito de silêncios e pausas, sussurros, ritmos e cadências, tal qual a musica. Para apreciar Klee è necessário ter de novo os olhos puros de uma criança. Um olhar ainda não contaminado pelo conhecimento ou corrompido pela cultura, livre de regras, normas e saberes inúteis. Tal qual suas buscas e interesses no universo infantil. O olhar puro consegue ver através das linhas, formas, superfícies e cores. Um mundo além das aparências, a essência das coisas segundo o próprio Klee. Sua arte fala baixinho, tem que chegar perto. Se aproximar para ouvir os sons que vem de suas imagens. Um canto lírico, uma sonata, a musica de câmera, uma composição musical. Tem a força vital dos grandes acontecimentos, o poder do universal.





                                 Golden Fish, 1925




O interesse pela produção infantil aconteceu os 22 anos quando Klee redescobriu seus próprios desenhos de infância. Encantado com a descoberta passa a investigar o processo criativo da criança, seus desenhos e pinturas. Os desenhos infantis tinham para ele um apelo original, primitivo no sentido da pureza, preservado da afetação do conhecimento, das regras e da cultura. A força instintiva da energia da vida, a simplicidade.  O que ele almejava para seu próprio trabalho e de fato ajudou a definir sua linguagem.
Mais tarde em 1907 nasce seu filho Felix o qual também contribuiu para o aprofundamento nas questões da infância relacionadas à arte. Klee registrou minuciosamente o desenvolvimento do filho em uma espécie de diário e mais tarde também seus desenhos.
Outro fator impactante na sua carreira que refletiu grandemente sobre sua obra foi uma viagem à Tunísia. Até 1914 Klee não se sentia um verdadeiro pintor, tinha dificuldades com a cor. Suas obras tendiam para o monocromático. A partir de uma viagem á Tunísia o artista se sente completamente envolvido com a luz do local. Mais tarde Klee afirmaria sobre a viagem (se referindo a luminosidade, as cores na natureza, a luz )


“Color has taken possession of me; no longer do I have to chase after it, I know that it has hold of me forever. That is the significance of this blessed moment. Color and I are one. I am a painter.”







O Grupo COBRA

A idéia principal do Cobra como todo movimento de vanguarda, era quebrar com padrões estabelecidos e criar uma nova maneira de expressar sua arte. Liberdade de técnicas, de gestos e idéias. Acreditavam na arte como intuição, liberdade de criação sem planejamento prévio, um espaço onde uma nova arte se manifestar livremente, apontar saídas ao conformismo. O ato de pintar, o processo criativo deveria ser o mais espontâneo possivel, diretamente sobre o suporte. Cores primárias, formas precárias. Grossas camadas de tinta, grandes formatos, movimentos vigorosos e gestuais. Temas fantásticos, animais grotescos, seres deformados, garatujas infantis, traços inacabados e desajeitados. Buscaram no universo infantil a fonte de inspiração para suas obras e seu fazer. A vitalidade e energia pura dos desenhos e pinturas das crianças. O olhar e a mão da criança ainda não contaminada pelo conhecimento ou corrompida pela cultura, livre de regras, normas e saberes inúteis. Também beberam na fonte da Arte Primitiva, Folk Art, Mitologia Nórdica, graffiti, na arte de Miró e Klee. Incorporaram a poesia e a literatura à sua arte, imprimindo um forte caráter político na sua proposta. Muitos deles eram de fato envolvidos e engajados politicamente, comunistas e marxistas. Tornaram-se um objetivo a alcançar. O Grupo Cobra durou pouco (se desfez em 1951), mas foi intenso tal qual sua proposta. Durante sua existência deixou marcas profundas e indeléveis na arte.



                               Constant



A exposição Klee and Cobra A Child’s Play revela as similaridades entre Cobra e Klee, mas também as diferenças de proposta quanto ambos tratam do mesmo tema. Em Klee, a abordagem do universo da criança é mais lúdico, muito próximo da poesia e da fantasia. Talvez um contraponto á sua intelectualidade tão incisiva. Mas também uma maneira de romper com a arte tradicional e seus cânones engessados. Enquanto que os artistas do Cobra encontraram no fazer da criança a potência vital da criação, a energia impulsiva e intuitiva do fazer. Estavam interessados na crueza do gesto impulsivo como uma maneira eficaz de expressar seus anseios e questionamentos.
A exposição traz desenhos e pinturas de Klee e telas em grandes formatos do artistas do Cobra, assim como algumas esculturas e marionetes de Klee. Dois vídeos de aproximadamente 1hora também fazem parte da mostra.


28.01 - 22.04 2012
Onde: COBRA MUSEU, in Amstelveen - Holanda

COBRA MUSEUM- em Amstelveen +- 9km de Amsterdam

A partir do centro pegue o TRAM 5 direção Binenhof; ultima parada. O museum fica na parte oposta da parada do tram, uma área comercial chamado Stadshart Amstelveen - Sandbergplein 1, Zip 1181 ZX.
Onibus apartir de Amsterdam: 170,171,172 parada Busstation Amstelveen
A partir do Schiphol: bus 300, parada Busstation Amstelveen
A partir da Station Zuid,WTC: bus 199, mesma parada acima.


Nenhum comentário:

Postar um comentário