sábado, 3 de março de 2012

Os livros e a leitura




por falar em livros...
porque a leitura é tão importante,


Contar histórias ou ouvi-las faz parte da nossa natureza, um sentimento de pertencimento que mora num lugar longínquo bem dentro do peito de cada um. Aquela parte lúdica, poética e lírica que existe a despeito das hostilidades do mundo. Se permitirmos estará sempre alerta.  
Infinitas contações de histórias estão registradas nos nossos genes, atravessaram o tempo e trouxeram consigo terras distantes, povos exóticos, casos intrigantes, nobres e pagãos, seres fantásticos e mundos maravilhosos. Desde tempos remotos quando nos descobrimos  gregários, sociais e comunicantes e nos demos conta da necessidade que temos uns dos outros a contação de histórias esta presente na nossa própria Historia.
No começo a tradição oral de passar o conhecimento para as gerações posteriores era necessidade vital, a segurança da sobrevivência no nosso árido planetinha. Uma certa garantia de permanência...
Mais tarde descobrimos as letras e um mundo cheio de promessas e possibilidades se abriu diante de nossos olhos e da nossa imaginação. Nasceram os livros, no início feitos de materiais orgânicos como couro de animais, folhas de plantas ou ate mesmo a pedra serviram de suporte para os registros, garantindo nossa ânsia por comunicação – as Cavernas Rupestres e o Código de Hamurabi são exemplos.
Mais tarde veio o papel e os livros ganharam o mundo.  Rapidamente caíram nas estradas espalhando o saber e o conhecimento. Atravessando mares e fronteiras, chegando às mãos de todo aquele que tivesse a curiosidade à flor da pele. Então ficou mais fácil entender o lugar onde vivíamos e como as coisas funcionavam nesse lugar. Paradigmas foram quebrados, alguns mitos derrubados e o medo deu lugar à razão. Uma nova era foi inaugurada expandindo o conhecimento e ultrapassando as fronteiras ate então estabelecidas - externas e internas. Nascia o tempo do saber.
A leitura e a literatura são uma grande aventura humana, isso nos diferencia dos demais seres com quem dividimos  o mesmo espaço chamado Planeta Terra. Somos pensantes, lúdicos, imaginativos, criativos e criadores. Através dos livros descobrimos a nós mesmos e o outro. Angústias, medos, inquietações e questionamentos. Sentimentos que são compartilhados por todos nós que aqui estamos, vivendo a grande jornada dessa incógnita chamada vida.
Pelos livros entramos em contato com mundos distantes. Nossa vida cotidiana se transforma em palco e teatro, cidades medievais, campos de batalha, lares desconhecidos, mares sem fim. Vivemos vidas alheias, incorporamos emoções que não são nossas mas mesmo assim nos reconhecemos nelas, lutamos contra nossos piores inimigos, enfrentamos medo, dor, tristezas e alegrias, sucessos e fracassos. Sem ao menos sair de casa. Voamos rumo ao desconhecido deitados no sofá da sala, recostados na poltrona quente e acolhedora do quarto de dormir.

 Ah! as palavras…nos levam numa viagem sem fim, num fluxo intermitente de novas idéias, umas engatadas nas outras. Provocando e instigando mais  pensamentos, sempre indo além e aquém de nos mesmos. A boa leitura nos fornece subsídios para termos nossas próprias opiniões. Aprendemos a comparar, discernir, investigar, aprofundar os questionamentos e entrar em contato com o desconhecido. Avaliar nossas próprias idéias confrontá-las, provocando mudanças dentro do nosso modo de ver, pensar e viver. Através da leitura e da reflexão que ela promove aprendemos a nos conhecermos mais e melhor. Aprendemos a aprimorar nosso modo de relacionar com o outro e com o mundo
Por isso e por muitas outras coisas a leitura é tão importante. O hábito da leitura é antes de mais nada uma paixão, um gosto pessoal. Mas isso não exclui a possibilidade de se aprender a gostar de ler. O hábito da leitura é também um exercício de experimentações. Tentativas no caminho até encontrar o seu jeito, o seu estilo de leitura, o(s) seu(s) autor(res) preferido(s).
Em tempos em que a permanência dos livros versus a supremacia dos computadores se transforma em assunto polêmico e cotidiano, nos faz pensar na mágica da leitura. Apesar de adorar os livros de papel, não acho a questão tão relevante. Afinal, para quem ama a louca aventura de viajar através das palavras, das linhas de um livro jamais vai deixar de amar o exercício de fazê-lo não importa o meio usado para isso.

Adam, 3 de marco 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário